home Acervo A PONTE

A PONTE

Release

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo

 Apresenta

 Bel Kowarick, Debora Lamm e Maria Flor

em

  A PONTE

De Daniel MacIvor

Direção Adriano Guimarães

 

Em cartaz no CCBB SP

 

Adriano Guimarães dirige Bel Kowarick, Débora Lamm e Maria Flor, em texto canadense encenado pela primeira vez no Brasil, onde o conflito entre três irmãs retrata o paradoxo entre afeto e diferenças

 

A primeira montagem nacional do texto do canadense Daniel MacIvor, que ficou conhecido pelo público brasileiro através das montagens de In on ItÀ Primeira Vista e Cine Mostro, celebra o primeiro encontro de quatro artistas de linhagens distintas: Maria Flor que tem a sua história ligada ao cinema e a televisão; a premiada Bel Kowarick que é uma referência no teatro contemporâneo produzido em São Paulo; Débora Lamm que, sempre associada às comédias, mergulha em um texto intenso, por vezes dramático; e o diretor Adriano Guimarães, do Coletivo Irmãos Guimarães, premiado encenador brasiliense cujo recente trabalho foi a direção do espetáculo Imortal, adaptação de um conto do argentino Jorge Luiz Borges.

Três irmãs separadas pela vida são obrigadas a se reunir para enfrentar a morte iminente de sua mãe. Bel Kowarick dá vida à primogênita Theresa, uma freira que se isolou da família em um retiro religioso. Débora Lamm é Agnes, a irmã do meio, uma atriz falida que deixou sua cidade natal. E Louise, interpretada por Maria Flor, a mais jovem das irmãs, viciada em séries de TV a quem não interessa quase nenhum diálogo para fora do mundo virtual. E neste reencontro, do embate entre elas ambientado na cozinha da casa onde foram cridas, as três vão acabar revendo seus valores, crenças e diferenças em busca da possível reconstrução do núcleo familiar há muito tempo fragmentado.

A adaptação de A Ponte nasceu por iniciativa de Maria Flor, que ficou fascinada pela dramaturgia de MacIvor. “É um texto que fala sobre relações humanas profundas e essências para qualquer pessoa. A relação entre irmãos, a relação com a mãe. Mas o que me chama atenção no texto são os diálogos e as personagens. Tudo é muito bem construído. Além disso, é uma peça completamente sobre mulheres. Sobre essas mulheres que sobrevivem apesar de todas as dificuldades e que se ajudam, se fazem crescer e amadurecer” .

Segundo Maria Flor, o espetáculo faz uma sensível análise dos conflitos familiares com um convite à aceitação e à boa convivência. “O que a peça tem de mais interessante é a discussão sobre a função da família na vida de cada indivíduo. Ela trata muito das relações familiares e da intimidade entre essas pessoas. É sobre essas relações que nos fazem ser quem somos. Apesar das diferenças, as irmãs têm as mesmas origens e referências. Ao longo da vida, vamos nos transformando e nos reinventando, mas são da família as memórias mais primordiais. Somos todos muito do que fomos e aprendemos na infância, vivenciada com marcas afetivas e traumáticas. Acho que o público se identifica bastante com as três irmãs na cozinha da casa tentando se relacionar e se respeitar,” avalia a atriz que descobriu este texto em uma viagem e convidou Bel Kowarick para ser a Theresa. “E ela acabou virando minha parceira na produção do projeto,” comemora.

Para Bel Kowarick, o reencontro entre as irmãs com personalidades e situações de vida tão distantes, revela uma noção de pertencimento. “Quando você sai do ambiente de casa e retorna àquela mesa de almoço, volta a ser o irmão caçula, o do meio ou o mais velho, mesmo que ganhe o mundo. Voltamos a ser a pessoa de quem não podemos fugir”, acredita a atriz. Segundo ela, a aceitação das diferenças que o espetáculo aborda de forma pontual é uma abordagem cara aos dias de hoje. “É fácil aceitar aquele que é próximo de mim, que pensa quase como eu, mas é duro conviver com o distante. É o nosso exercício atual: não precisamos necessariamente amar essas pessoas, mas sim compreendê-las e respeitá-las”.

Débora Lamm afirma que a resolução de conflitos internos é a maior característica de sua personagem. “Agnes tem uma grande ferida em seu passado e a peça trata do momento em que ela dá atenção a isso para poder seguir”. A atriz acredita que todas as personagens apresentam forte capacidade de gerar identificação no espectador. “O ambiente familiar reúne nossas primeiras referências e também nossos primeiros conflitos. É o primeiro espelho para o mundo. Essas três irmãs passam por questões básicas de nós humanos que dizem respeito aos laços de sangue, aqueles que não escolhemos e com os quais somos obrigados a conviver,” avalia.

A Ponte é uma peça extremamente popular e foi o texto de maior sucesso do autor canadense. “A qualidade da dramaturgia é latente no texto de MacIvor,” ressalta o diretor Adriano Guimarães.

 

Assessoria de imprensa do CCBB: Leonardo Guarniero (11) 4298-1279/1282 | leoguarniero@bb.com.br

Assessoria de imprensa do espetáculo: Morente Forte (Beth e Thais) (11) 3255.6183

imprensa@morenteforte.com.br

Ficha Técnica

Texto: Daniel MacIvor

Tradução: Bárbara Duvivier

Dramaturgia: Emanuel Aragão

Direção: Adriano Guimarães

Elenco: Bel Kowarick, Debora Lamm e Maria Flor

Assistência de direção e stand in: Liliane Rovaris

Cenografia: Adriano Guimarães e Ismael Monticelli

Figurino: Ticiana Passos

Iluminação: Wagner Pinto

Direção de Movimento: Denise Stutz

Programação Visual e fotografia: Ismael Monticelli

Fotos de cena: Flavia Canavarro

Assessoria de imprensa: Morente Forte

Produção Executiva: Adriana Salomão

Produção Local SP: Contorno Produções

Administração e Produção: Super Normal

Direção de Produção e Idealização: Bel Kowarick e Maria Flor

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Patrocínio: Banco do Brasil, Cateno e 3M

Serviço

A PONTE

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo (140 lugares)

Rua Álvares Penteado, 112. Centro

 3113.3651 / 3113.3652

Funcionamento da bilheteria: todos os dias, das 9h às 21h, exceto ás terças

Vendas: www.eventim.com.br

bb.com.br/culturatwitter.com/ccbb_spfacebook.com/ccbbsp

instagram.com/ccbbsp

Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô.

Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física / Ar-condicionado / Cafeteria e Restaurante / Loja. Estacionamento: Estapar – Rua Santo Amaro, 272 – R$ 15 pelo período de cinco horas.  Necessário carimbar tíquete na bilheteria do CCBB – Van faz o traslado gratuito no trajeto estacionamento – CCBB. Na volta, parada no Metrô República antes do estacionamento.

 

Sexta, Sábado e Segunda às 20h

Domingo às 18h

 

*Sessões extras: dias 21 e 28 de fevereiro e 07 de março, quintas, às 20h*

 ** Sessão com tradução em Libras: dia 22 de fevereiro, sexta, às 20h**

 

Ingressos:

R$ 30

Clientes Banco do Brasil tem 50% de desconto com Ourocard

Duração: 110 minutos

Recomendação: 12 anos

 

Estreou em 23 de novembro de 2018 no CCBB de Belo Horizonte

 Estreou dia 01 de fevereiro de 2019

Temporada: até 25 de março

32 thoughts on “A PONTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

slot hoki terpercaya

agen bola terpercaya Agen bola bandar bola terbesar link judi slot judi online slot casino live skor