A VELA

Herson Capri e Leandro Luna em peça sobre reconciliação familiar

Direção: Elias Andreato

O pai expulsou o filho de casa por não aceitar a sua orientação sexual.

Vinte anos depois eles se reencontram, o filho agora é uma drag queen, e eles

têm o tempo de uma vela se consumir para acertar as diferenças.

A Vela, escrito por Raphael Gama e com direção de Elias Andreato, traz os atores Herson Capri e Leandro Luna, interpretando pai e filho, respectivamente. Com direção de Elias Andreato, a peça estreia no Teatro UOL no Shopping Higienópolis em São Paulo no dia 01 de julho e faz temporada às sextas 21h, sábados e domingos, 20h, até 4 de setembro.

O espetáculo foi contemplado pela Lei Aldir Blanc em 2020 e realizou temporada on line de 31 de outubro a 10 de dezembro do ano de 2021. Devido ao sucesso on line, o desejo em ter uma temporada presencial concretizou-se em 2022. A temporada carioca aconteceu em março e abril e uma curta temporada em Porto Alegre (com 100% da ocupação) em três dias 29 e 30 de abril e 1º de maio. O espetáculo chega aquecido em São Paulo depois do sucesso nos diferentes ambientes que participou on line e presencial. 

O pai, professor aposentado, reencontra o filho, uma drag queen, anos depois de romperem relação por não aceitar a orientação sexual do filho e sua escolha pela arte drag. Eles buscam uma reconciliação. O velho professor Gracindo, decide se mudar para um asilo, por conta própria, depois de se ver muito sozinho após o falecimento de sua esposa. Rompeu relações com o filho há muito tempo, quando descobriu sobre sua orientação sexual, o expulsando de casa.

Prestes a se mudar, Gracindo precisa empacotar suas coisas e acaba revirando seu passado enquanto a falta de luz o obriga a usar uma vela. Porém, quem chega para o ajudar nessa mudança é Cadú, ou melhor, Emma Bovary, seu filho drag queen que retorna para tentar as pazes com seu velho pai e entender o que fez um homem tão culto agir de forma tão violenta.

Mas, Cadú, ou Emma é categórico: eles têm apenas o tempo da vela que o pai acendeu se consumir para essa conversa se resolver.

“Éuma história contada com delicadeza para que o espectador possa se identificar com os personagens. O nosso objetivo é mergulhar numa relação verdadeiramente teatral e humana. O teatro sempre será a arena necessária para debater todas as formas de preconceitos”, fala o diretor Elias Andreato.

Para Leandro Luna, o espetáculo aborda as relações humanas e as feridas familiares que todos temos e nos identificamos. “É muito importante, principalmente nos dias de hoje, estarmos em constante discussão sobre as diferenças e estimularmos a tolerância e o respeito ao próximo. Vivemos tempos muito polarizados, onde o conceito de moral e conservadorismo tem alimentado a sociedade com discursos odiosos, segregacionistas, em vez de criar o diálogo respeitoso e democrático. Precisamos, através da Arte, propor o discurso de temáticas que incentivem o respeito entre os indivíduos, principalmente, a partir do ponto de vista da educação familiar. ” 

Já Herson Capri ressalta a atualidade do tema. “A peça discute preconceito, acolhimento e a relação familiar de uma forma inteligente e sensível. Os preconceitos estão por aí, à nossa volta, o tempo todo. Convivemos, de uma forma ou outra, com pessoas conservadoras e até negacionistas. Acho que a arte tem o dever de abordar os temas que tocam e afligem a sociedade. Acolher as diferenças é um deles. E negá-las, também é preciso ser discutido. ”

Para a construção do texto, o autor Raphael Gama recorreu da percepção que teve ao constatar a dificuldade em dialogar com sua avó, uma mulher tradicional, com resistência em entender as mudanças que aconteciam na sociedade; e o quanto a incompreensão familiar afetava as escolhas de vida das drag queens em geral. “Eu convivo com diversos artistas queers de São Paulo. Conheço pessoas que foram expulsas de casa e o fato dessa comunidade seguir sendo tão negligenciada e odiada, mesmo em meio à tanta informação, me fez querer falar do assunto no ambiente familiar e sobre a importância do diálogo como ferramenta de cura”, explica.

Relações humanas

Entre álbuns de fotos, livros clássicos, música e poesia, os personagens vão revirando o passado para entender o presente e enfrentar o futuro. Ambientada em uma casa com poucos móveis e algumas caixas, o elemento central em cena é uma janela, onde o tempo e os segredos são discutidos.

A peça é entremeada por trechos de famosos escritores e pensadores, com músicas que definiram gerações como Carpenters, Edith Piaf e Dalva de Oliveira. O drama, vivido entre pai e filho, pretende aproximar as questões pertinentes da sociedade contemporânea, levando o espectador a entrar em contato de maneira sensível, com temáticas extremamente relevantes: as relações humanas e os preconceitos instaurados na estrutura social e familiar.

A Vela não é sobre mocinhos e bandidos, não é sobre vítimas e vilões. É sobre algo que todos nós conhecemos intimamente. É sobre família e amor. Sobre erros humanos. Sobre conflito de gerações e de identidades. E a importância do diálogo em tempos tão odiosos. Mais do que falar sobre quaisquer tabus ou polêmicas, quando falamos sobre amor falamos sobre reflexão e cura,” conclui Raphael Gama.

A VELA

 (70 minutos)

TEATRO UOL

Shopping Higienópolis

Av. Higienópolis, 618 – Higienópolis, São Paulo – Sp

Billheteria: Horários de Funcionamento – Ter., Qua. e Sex. 18h às 21h / Sáb., 14h às 22h / Dom., 14h às 20h.

Ligue para (11) 3823 2323 / 3823 2423 / 3823 2737 e compre seu ingresso pelo telefone.

Temporada: 02 de JULHO até 4 de SETEMBRO

Sextas às 21h, sábados e domingos às 20h.

Classificação: 12 anos

Venda de espetáculos para grupos e escolas: bel@conteudoteatral.com.br

FICHA TÉCNICA

Texto: Raphael Gama.

Direção: Elias Andreato.

Elenco: Herson Capri (Gracindo) e Leandro Luna (Cadú/Emma Bovary).

Assistente de direção e produção: Rodrigo Frampton.

Iluminador: Cleber Eli.

Operador de luz e som: Marcelo Andrade.

Contraregragem e Camarim: Renato Valentte.

Foto: Caio Gallucci.

Caracterização e concepção de cenário: Elias Andreato.

Visagista: Márcio Merighi.

Maquiador: Valentte

Assessoria Jurídica: Diego A. Coutinho.

Assessoria de Imprensa: Morente Forte

Gestão de Marketing: R+Marketing.

Produtores: Leandro Luna e Priscilla Squeff.

Produção: VIVA Cultural e Luna Produções Artísticas.

Realização: Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

74 thoughts on “A VELA

Comments are closed.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

slot hoki terpercaya

agen bola terpercaya Agen bola bandar bola terbesar link judi slot judi online slot casino live skor