home Acervo CONEXÃO MARILYN MONROE

CONEXÃO MARILYN MONROE

Release

Alexandre Barros, Maximiliana Reis, Paulo Ivo,
Riba Carlovich, Romis Ferreira e Thiago Adorno

em

CONEXÃO MARILYN MONROE

Uma Comédia Política Absurda Policial
Texto e direção de Alexandre Reinecke

Em cartaz no Teatro Gazeta
Conexão Marilyn Monroe é o que se pode chamar de, uma “comédia tipicamente brasileira”, escrita e dirigida por quem entende do assunto: Alexandre Reinecke, um dos diretores mais atuantes do país, principalmente em comédias, o espetáculo é repleto de mal-entendidos, com uma confusão crescente e divertida.

Esse é o quarto texto escrito por Alexandre Reinecke. “Escrevi essa comédia enquanto ainda atuava em Trair e Coçar, é só Começar, e lá se vão vinte anos. Apesar desse tempo todo, o texto continua muito atual e resolvi montá-lo dois anos atrás, depois de uma leitura que fizemos no MASP, no Projeto Letras em Cena”, afirma o autor e diretor que já teve outros textos encenados, como Pensando em Ti (1992), que ficou em cartaz somente em Campinas, sua cidade natal; Alquimistas Graças a Deus (1992) e Aqui se Paga, aqui se faz(1999).

Reinecke afirma que é “uma comédia divertida, contemporânea e brasileira! Uma homenagem aos clássicos da comédia mundial, com ingredientes dos mais variados gêneros como vaudeville, besteirol, comédias policiais e absurdas terminando com uma grande homenagem ao mestre dos comediógrafos, Molière, que com suas peças fazia grande sucesso, criticando as elites dominantes de sua época”.

A trama se desenrola através dos conflitos gerados em torno do personagem central, um Senador da República corrupto envolvido com lavagem de dinheiro e das situações ocasionadas pelo seu relacionamento oculto com um irreverente namorado.

Na casa do Senador Pacheco está sendo preparada uma grande festa de aniversário de Ricardinho, seu companheiro, onde os convidados deverão se fantasiar de Marilyn Monroe. Pacheco aproveitará esta festa para fazer uma troca de mercadorias ilícitas, arquitetada por seu fiel escudeiro Paulo, que teve a grande ideia de camuflar 100 mil dólares dentro de um vestido de Marylin Monroe (aquele da famosa cena do metrô).

Dom Pepino é um grande contrabandista e traficante de Brasília, além de maior concorrente de Pacheco, no mundo do crime e contravenções, que ao ficar sabendo da transação, envia seu “funcionário” Otávio, um atrapalhado bandido de primeira viagem, se infiltrar na festa para interceptar a negociação e fugir com o dinheiro. O que nenhum dos dois sabe, é que a festa é temática…
Personagens:

Paulo Ivo é Dr. Pacheco – Senador da República. Trabalha com tráfico de drogas e contrabando. Homossexual discreto.

Romis Ferreira é Otávio – simples e atrapalhado em seus atos. Trabalha com Dom Pepino. Está no mundo do crime por força da situação.

Alexandre Barros é Paulo – um homem bonito e grosso de personalidade. É o braço direito de Pacheco no tráfico e contrabando. Marido de Silvia e galã da peça.

Thiago Adorno é Ricardinho – novo namorado de Pacheco. Uma “bichinha” totalmente afetada, ciumenta e desbocada.

Maximiliana Reis é Silvia – a linda esposa de Paulo e grande amiga de Pacheco. Existe um segredo em sua vida.

Riba Carlovich é Dom Pepino – rico e famoso no mundo do crime por seus atos sempre perfeitos e sem pistas. Está perdendo terreno para Pacheco e resolve se vingar.

Sobre Alexandre Reinecke
Dentre os diretores teatrais mais atuantes da atualidade, Alexandre consolidou sua carreira em 2000, quando foi assistente de direção de Paulo Autran, na peça “Dia das Mães”. Desde então dirigiu 21 peças dos mais variados gêneros, entre elas, as comédias “Quarta-Feira, Sem falta, Lá em Casa”, com Beatriz Segall e Myrian Pirtes, que foi sibstituída por Nicete Bruno; “Senhoras e Senhores”, com Suely Franco, John Herbert, Sonia Guedes e Antonio Petrin; “Sua Excelência o Candidato” de Marcos Caruso e Jandira Martini, estrelada por Reynaldo Gianecchini; e “Arsênico e Alfazema”, com Ana Lucia Torre e Denise Weinberg, peça que também traduziu e adaptou. Dirigiu também a comédia francesa de grande sucesso “Toc Toc” e duas peças de Fernanda Young: “A Ideia”, com a própria Fernanda e “Vergonha dos Pés”, com Priscilla Fantin e Danton Mello.
Dentre os grandes dramaturgos contemporâneos, dirigiu “A Volta ao lar” (The Homecoming) do inglês Harold Pinter (Prêmio Nobel de Literatura em 2007), “Art” da francesa Yasmina Reza; “O Estrangeiro” (The Foreigner) do americano Larry Shue; “Os Sete Gatinhos” e “Álbum de Família” de Nelson Rodrigues; e “Oração Para Um Pé-de-Chinelo” de Plínio Marcos, peça que recebeu dois Prêmios Shell e um APCA.
Escreveu, traduziu e adaptou diversos textos e ainda um roteiro para teatro e cinema, inspirado na música “Domingo no Parque” de Gilberto Gil (aprovado por ele), ainda inéditos. Como ator, entre outras peças, atuou em “Trair e Coçar e Só Começar” de Marcos Caruso (1991-94) ao lado de Denise Fraga, “Computa Computador Computa” de Millôr Fernandes (1987), “As Bacantes” de Eurípedes (1988), “Arsênico e Alfazema” de Joseph Kesselring (1996) e “O Que o Mordomo Viu” de Joe Orton (2000-01 SP e RJ); fez a Oficina de Atores da Rede Globo em 1997 e participou de inúmeros filmes comercias, bem como longas e curtas-metragens. Em 1991, atuou no papel de Creonte em “Antígona”, com o Laboratorie Gestuel du Canada, sob a direção de Larry Trembley.

Ficha Técnica

Texto e Direção: Alexandre Reinecke
Elenco:
Alexandre Barros
Maximiliana Reis
Paulo Ivo
Riba Carlovich
Romis Ferreira
Thiago Adorno
Assistente de Direção: Eduardo Leão
Cenário e Figurino: Fábio Namatame
Trilha Sonora: Pedro Lobo
Iluminação: Lúcia Chedieck
Fotografia: João Caldas
Identidade Visual: Fernando Lucas
Designer Gráfico: Natália Viviani
Assessoria de Imprensa: Morente e Forte
Produção Executiva: Adelino Costa
Direção de Produção: Marcella Guttmann

Serviço

CONEXÃO MARILYN MONROE
Teatro Gazeta (700 lugares)
Avenida Paulista, 900 – Térreo
Informações: 3253.4102
Bilheteria: de terça a quinta, das 14h às 20h. Sexta a domingo das 14h até o horário do espetáculo.
Aceita cartões de débito e dinheiro. Cartão de crédito somente pelo site ou telefone.
Estacionamento: convênio com MultiPark (Rua São Carlos do Pinhal, 303 – subsolo do teatro). R$ 20 por 3h.
Vendas: www.teatrogazeta.com.br e 4003.1527
Sextas às 21h | Sábados às 22h| Domingos às 20h
Sexta e Domingo R$ 50. Sábado R$ 60
 
Duração: 90 minutos / Recomendação: 12 anos / Gênero: Comédia
 
Estreou dia 05 de julho
Temporada: até 29 de setembro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *