home Acervo NIJINSKY

NIJINSKY

Release

A Dança da Morte e da Vida de Nijinsky

Nijinsky

Minha loucura é o amor da humanidade

 

No espetáculo com texto de Gabriela Mellão, voos em trampolim acrobático retratam simbolicamente glória e ruína do bailarino russo

 Em cartaz no SESC Belenzinho

Nijinsky – Minha loucura é o amor da humanidade tem texto de Gabriela Mellão, que divide a direção com João Paulo Lorenzon, protagonista da montagem (indicado ao prêmio Shell de melhor ator 2012). Lorenzon contracena com Michelle Boesche (indicada ao prêmio Shell 2013), Francisco Bretas (indicado ao Shell em 2000), Nábia Vilela e Janaína Afhonso.  Quem assina a trilha sonora é Raul Teixeira. O desenho de luz é de Fábio Retti. Reinaldo Soares assume a preparação de dança e Renato Marino o treinamento em trampolim acrobático (cama elástica).

A montagem resgata poeticamente a figura histórica do lendário Vaslav Njinsky, considerado o Deus da dança moderna, que personifica a essência do artista em sua fé e obstinação inabaláveis na arte.

A encenação se propõe a retratar simbólica e oniricamente os voos e as quedas de Nijinsky. Transforma parte do palco num imenso trampolim (cama elástica) buscando explorar as possibilidades imagéticas geradas a partir deste chão inusitado que evoca o universo mental e corpóreo do protagonista. Nele, Nijinsky (Lorenzon) dançará a 3 m do chão, uma coreografia que não deseja alcançar a representação do ballet mas as glórias e ruínas do dançarino.

Nijinsky surpreendeu o mundo com sua criatividade e ousadia. Rejeitou as regras do ballet clássico e da sociedade do início do século XX para dançar o instinto, no palco e na vida. Colocou demência em evidência. Transformou enfermidade em beleza, antecipando preceitos da arte contemporânea.

O espetáculo expõe a mente original e atordoada deste homem que foi estigmatizado como louco por não se enquadrar aos padrões sociais de sua época e hoje é exemplo de genialidade, como Van Gogh, Artaud, Beethoven e Nietzsche.

As ascendências e quedas do bailarino são representadas em cenas de intensidade física que servem-se de estados limites do corpo para alterar voz e atuação. Nijinsky é manipulado, amarrado, asfixiado, esticado e elevado durante o espetáculo, em atos que rompem a linguagem prosaica, através de um acabamento estético que persegue o simbólico.

A montagem adentra o universo interior de Nijinsky, o qual contracena com fantasmas que sobrevoam seu imaginário. Imerso em si, à parte à realidade cotidiana, Nijinsky inicia o espetáculo ocupando um balanço a 3 metros de altura. Seus interlocutores permanecem em solo, distantes de seu mundo. Seu empresário/amante (Diaghilev), sua mulher (Romola), mãe (Eleonora) e irmã (Nijinska) são memórias materializadas que o violentam ao mesmo tempo que o acolhem.

Os personagens que regem a mente de Nijinsky são figuras que interferiram na vida do bailarino. Entretanto, na montagem eles ganham novas camadas. No espetáculo podem ser vistos também como figuras arquetípicas presentes no imaginário de todo homem – tais como a maternal que nutre e abandona, a paterna que impulsiona e oprime, ou a amante que enaltece e aprisiona.

A Dança da Vida

 A dança torna visível o invisível. É expressão e celebração da união entre homem e natureza. Libera o ser humano ilimitado da ilusão de ser um indivíduo aprisionado nas fronteiras de sua pele. Essa é a força de Nijinsky. A dança é sua própria natureza.  Através de sua arte, o bailarino se identifica com o movimento rítmico do todo que habita e se entrega ao desejo de ultrapassar a efemeridade da vida. Sente-se capaz de tornar Deus presente e sua humanidade potente.

Loucura? Ou sabedoria, como comprova a história da humanidade?

O homem tem o hábito de subestimar o que foge da rede de procedimentos intelectuais. A experiência dos sentidos ajuda a abranger realidades maiores, que escapam da apropriação puramente mental. A dança busca contradizer o racionalismo de pensadores como Sócrates, Leibniz, e Hegel, para os quais nada tem sentido ou existência real fora do que pode ser reduzido à razão.

Desde a origem da sociedade é pelas danças e pelos cantos que o homem se afirma como ser maior. A dança exprime a coesão e o poder transcendente da comunidade. A arte reúne a beleza e grandeza da vida.

A dança mostrou-se, ao longo do tempo, capaz de revelar a grandeza ou o declínio de uma civilização. Na China do século VI o sábio Confúcio dizia: “Mostre-me como dança um povo e eu lhes direi se sua civilização está doente ou se goza de boa saúde”.

Em sua Poética, Aristóteles, identifica como dança o ato do homem ultrapassar seus limites. Um dos dançarinos japoneses mais importantes do início do século 20, o ator de Nô Kishiro Matsumoto, dizia: “Dançar é aprender os movimentos dos Deuses”.

Como não acreditar, como um xamã, que a dança pode curar o indivíduo insuflando-lhe a vida maior do todo?

O antigo escritor turco Lucien de Samosathe escreve: “A dança nasceu no começo de todas as coisas; veio a luz ao mesmo tempo que Eros, pois esta dança primordial aparece no ritmo das constelações, no movimento dos planetas e das estrelas, nas rondas e evoluções traçadas no céu.

Dante, no último canto da Divina Comédia, onde a dança aparece como uma das principais atividades no paraíso, diz: “É o amor que move o céu e as outras estrelas”.

Ficha Técnica

Texto: Gabriela Mellão

Direção: Gabriela Mellão eJoão Paulo Lorenzon

Elenco: João Paulo Lorenzon, Michelle Boesche, Francisco Bretas e Nábia Vilela e Janaína Afhonso

Trilha sonora: Raul Teixeira.

Desenho de luz: Fábio Retti

Figurinos: Thais Nemirovsky

Coreografia: Reinaldo Soares

Treinamento aéreo: Renato Marino

Costureira: Gabriela Cherubini

Operador de som: André Telles

Operador de Luz: Vinícius Passos

Fotos: Maurizio Mancioli

Assessoria de Imprensa: Morente Forte

Produção: Corpo Rastreado

Realização: SESC São Paulo

Serviço

NIJINSKY

Sesc Belenzinho

Sala de Espetáculos II (100 lugares)

Rua Padre Adelino, 1000

Telefone: (11) 2076-9700 | www.sescsp.org.br/belenzinho

Ingressos à venda pela Rede INGRESSOSESC (unidades do Sesc) e pelo Portal Sesc SP www.sescsp.org.br 

Estacionamento: R$ 6 (não matriculado); R$ 3,00 (matriculado no SESC – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo / usuário).

Quinta a Sábado, às 21h30 | Domingo às 18h30.

 Ingressos: R$ 25

R$ 12,50 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino).

R$ 5 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

 Duração: 80 minutos

Recomendação: 14 anos

 Curta Temporada:

De 28 de Agosto até 21 de Setembro

One thought on “NIJINSKY

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

agen bola terpercaya Agen bola bandar bola terbesar link judi slot judi online slot casino live skor